[Diários do Tradutor] Filmes, séries e as capas dos livros

Uma prática que ficou comum no mercado editorial foi utilizar obras audiovisuais, como filmes e séries, para impulsionar as vendas e a divulgação dos livros nas quais elas foram baseadas (ou, ocasionalmente, quando se faz o caminho inverso, no caso das chamadas “novelizações”, em que um filme, série ou game é reescrito em forma de livro).

Várias das traduções que fiz para a Editora Novo Conceito foram publicadas com capas que originalmente eram os pôsteres dos filmes. E a estratégia parece que já chegou ao próximo estágio: comprei este livro ainda na época da Black Friday de 2017 (quando a série Altered Carbon ainda não tinha estreado na Netflix), mas o livro já vinha com um adesivo avisando o que aconteceria dali a alguns meses. Confira:

Seria melhor usar as capas originais? Recriá-las, utilizando o trabalho de capistas brasileiros? São possibilidades. Mas, partindo do princípio de que o livro é um produto e que as editoras precisam vendê-los para para pagar as contas (e contratarem novas traduções, revisões, etc), usar o pôster do filme como capa do livro é uma estratégia comercial interessante. E ajuda a despertar o interesse pela leitura em pessoas que, se não fosse pelo uso desse artifício, dificilmente passariam em uma livraria para dar aquela olhadinha nos títulos disponíveis.

E se você quiser conhecer alguns dos livros que traduzi e que viraram filmes (e cujas capas foram refeitas com base nos pôsteres do cinema), é só clicar aqui e dar uma olhada no meu portfólio.

🙂

Comentários estão fechados.