Paperboy / Obsessão

Capa PaperboyObra: Paperboy (1ª impressão) / Obsessão (2ª impressão)
Título originalPaperboy
Autor: Pete Dexter
Cliente: Editora Novo Conceito
Ano de publicação: 2013

 

Detalhes da tradução:

Pode-se dizer que Paperboy / Obsessão é um livro com duas camadas. A primeira é a história em si, que inclui a narrativa da reportagem especial que os personagens estão tentando elaborar sobre um assassinato na região alagadiça do norte da Flórida; a segunda, um pouco mais sutil (e que vai transparecendo conforme a leitura avança) é um retrato repugnante da corrupção, racismo, nepotismo, preconceitos, bairrismo, trocas de favores e a completa falta de ética que permeia quase toda a sociedade mais conservadora do sul dos Estados Unidos. O livro também foi adaptado para o cinema e deve chegar às telas ainda em 2013.

 

Sinopse oficial:

Hillary Van Wetter foi preso pelo homicídio de um xerife sem escrúpulos e está, agora, aguardando no corredor da morte. Enquanto espera pela sentença final, Van Wetter recebe cartas da atraente Charlotte Bless, que está determinada a libertá-lo para que eles possam se casar.

Bless tentará provar a inocência de Wetter conquistando o apoio de dois repórteres investigativos de um jornal de Miami: o ambicioso Yardley Acheman e o ingênuo e obsessivo Ward James.

As provas contra Wetter são inconsistentes e os escritores estão confiantes de que, se conseguirem expor Wetter como vítima de uma justiça caipira e racista, sua história será aclamada no mundo jornalístico. No entanto, histórias mal contadas e fatos falsificados levarão Jack James, o irmão mais novo de Ward, a fazer uma investigação por conta própria. Uma investigação que dará conta de um mundo que se sustenta sobre mentiras e segredos torpes.

Paperboy é um romance gótico sobre a vida aparentemente sossegada das cidades do interior. Um thriller tenso até a última linha, que fala de corrupção e violência, mas que, ao mesmo tempo, promove uma lição de ética.

“Um romance estranho belo, que nos obriga a permanecer em suas misteriosas vielas emocionais.” — The New York Times

Comentários estão fechados.